Léxico: «ajuntada»

Ou rogada

 

      «Quando se aproximava o casamento, os pais dos noivos marcavam um dia para uma “ajuntada” de amigos. De forma voluntária, rapazes e raparigas, novos e velhos, disponibilizavam-se para fazer o material de construção para a casa dos noivos. Escavavam uma cova num terreno de “areia gorda” e extraíam a quantidade necessária, que, misturada com “cal viva” e água, daria origem ao adobe. Foi assim que nasceram muitas das casas que ainda se mantêm de pé – algumas recuperadas, outras em ruínas – na freguesia do Seixo, no concelho de Mira, onde neste sábado haverá uma recriação da sua produção, numa iniciativa apoiada pela Universidade de Aveiro (UA)» («E se as casas voltassem a ser feitas de areia e cal? Arquitetos querem recuperar a tradição», Joana Capucho, Diário de Notícias, 29.09.2018, 14h36).

      Caramba, Joana Capucho, tantas aspas! Ajuntada, diz-nos o Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora, é o nome que se dá ao conjunto de «pessoas convidadas para fazer um serviço agrícola gratuitamente». Não apenas um serviço agrícola; é sinónimo de rogada, também registado naquele dicionário: «acto de rogar (vizinhos e amigos para cooperarem num serviço gratuitamente)». Há ainda um termo que designa uma realidade semelhante, também regionalismo, mas que o dicionário da Porto Editora não considera assim, que é retada: «serviço que se presta em troca de outro recebido».

 

[Texto 10 022]

Helder Guégués às 16:46 | comentar | favorito