Léxico: «bebra/breba/bêbera»

Temos, e melhor

 

      Há-de porque ali estamos em pleno Douro Internacional, mas o Sr. César não tem razão. «Sabe o que são brevas?» Dito assim, secamente, eu não sabia. «Quando vim para cá, um dia um vizinho deu-me duas brevas. São os primeiros frutos da figueira; só depois é que dá figos.» E tinha até uma explicação etimológica: seria «breva» porque era mais «breve». Não é assim. Breva vem do termo latino bifer, «que dá fruto duas vezes ao ano». Breva < bifera < bifer. O termo, porém, é castelhano: «Primer fruto que anualmente da la higuera breval, y que es mayor que el higo», lemos no dicionário da Real Academia Espanhola. Ora, nós temos bebra e bêbera (e, por um fenómeno assaz conhecido, breba, que não vejo nos dicionários), com o mesmo étimo, e até o Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora a regista: «variedade de figo preto, grande, comprido e com polpa vermelha, produzido pela abebereira». À higuera breval dos nossos vizinhos corresponde a nossa bebereira ou abebereira. À variedade silvestre de figueira damos o nome, com a mesma etimologia, de baforeira. Ontem, na aldeia do Juízo (recomendo ambos), falaram-me em figos lampos e em figos vindimos, mas isto já eu conhecia há muito.

 

[Texto 9722]

Helder Guégués às 18:27 | comentar | favorito | partilhar
Etiquetas: ,