Léxico: «carta credencial»

Um plural singular

 

      «Por causa de um “lapso administrativo”, as cartas-credenciais do embaixador português em Pequim José Manuel Duarte de Jesus, que também representava Portugal na Coreia do Norte, foram enviadas para a América Latina em vez de seguirem para Pyongyang» («Ele foi o nosso homem em Pyongyang», João Ruela Ribeiro, Público, 1.06.2018, p. 24).

      Há-de ser convicção do jornalista, pois escreve com hífen em duas ocorrências, a citada e numa legenda (mas que pode não ser da autoria do jornalista), mas neste caso no singular, «carta-credencial». Ora, aqui é que bate o ponto, pois para o Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora, e não é o único, credencial, neste sentido, usa-se apenas no plural: «plural documento que dá crédito e poderes para representar um país perante o governo de outro, ou uma entidade perante outra». Plural? Se formos ver como se escrevia há trinta, cinquenta, cem anos, era sempre no singular. O que mudou? A meu ver, se queriam mudar alguma coisa, apenas acrescentavam a possibilidade do seu uso no plural, não a consagração única do plural. Acrescentar, não trocar. E onde foi o jornalista buscar a forma hifenizada? Não foi ao livro de José Manuel Duarte de Jesus, isso é certo.

 

[Texto 9324]

Helder Guégués às 12:50 | favorito