Léxico: «cavaleiro»

Cavalo sem cavaleiro

 

      «Chama-se “ColUTAD”. É um porta-enxerto, um clone de castanheiro imune à doença da tinta e foi desenvolvido por investigadores da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD). Segundo os especialistas, o clone já foi testado com a colaboração de dezenas de agricultores e é imune à doença que destruiu em 20 anos cerca de um milhão destas árvores em Portugal» («Chega ao mercado clone de castanheiro imune à doença da tinta», Olímpia Mairos, Rádio Renascença, 10.04.2018, 17h00).

    O Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora remete de porta-enxerto para cavalo, e está certo, são sinónimos. A falha está noutro verbete, relacionado com este: entre as seis acepções de cavaleiro que aquele dicionário acolhe, não se encontra a relativa à enxertia. Imaginem uma videira: a enxertia consiste em unir duas videiras diferentes, ou seja, soldar fisiologicamente as raízes de uma videira (o porta-enxerto ou cavalo) à parte aérea de outra videira (o garfo ou cavaleiro). O cavaleiro adapta-se, pois, à fenda do cavalo, neste tipo de enxertia. Quantos milhares de acepções e termos não faltarão nos dicionários...

 

[Texto 9031]

Helder Guégués às 19:53 | favorito
Etiquetas: ,