Léxico: «centia»

Não sabemos

 

      «Fui procurar um amigo, de boa cepa ribatejana, que hoje vive nos Trópicos e morava então numa atravancada mansarda da Rue Monsieur le Prince, estilo goliardo, depois de haver fugido aos estudos em Lisboa, onde se achava mais preso do que em centia de galé» (Imitação da Felicidade, Urbano Tavares Rodrigues. Lisboa: Livraria Bertrand, s/d [1965], p. 177).

      É um caso curiosíssimo: ninguém sabe ao certo, creio, o que significa este «centia». Pode ser, não é raro, tratar-se de gralha. Ainda assim, há dicionários que o acolhem, sem o definirem, obviamente. Para quê? E para que o usa um escritor, não se sabendo o seu significado? Percebe-se, convenho, o sentido negativo, mas não me parece isso suficiente. Algum lexicógrafo o encontrou no Cancioneiro Geral de Garcia de Resende e logo o entesourou: «vejome remeyro preso—em centia de gualee».

 

[Texto 9173]

Helder Guégués às 17:12 | comentar | favorito
Etiquetas: ,