Léxico: «chorão-das-praias»

Tem de ser resolvido

 

      «O Ministério da Agricultura acrescenta ainda que se “confirma a presença de espécies invasoras pelo território continental de forma generalizada, apesar de as situações de presença maciça (grupos de plantas ou extensão por toda a superfície) sejam [sic] significativamente raras”. “As acácias e háqueas, canas e chorão-das-praias são as espécies mais detectadas.”» («Eucalipto ganha terreno ao pinheiro-bravo e ao sobreiro», Rita Marques Costa, Público, 28.06.2019, p. 3).

      O chorão-das-praias (Carpobrotus edulis) não está no Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora. A opção que fizeram foi outra, e revela-se a cada passo a menos eficaz: no verbete chorão, como fizeram noutros, vão incluindo todas as espécies. A amálgama dissuade o leitor e, evidentemente, há perda de informação, pois o Carpobrotus edulis (que figura na quarta acepção) passa como se se denominasse simplesmente «chorão», assim como, na primeira acepção, o Salix babylonica também é como se se chamasse apenas «chorão», quando o nome comum é salgueiro-chorão (que, sem que alguém tivesse visto até hoje, tem também verbete autónomo). Juntar tudo é compreensível num dicionário recente, não num que tem décadas.

 

[Texto 11 641]

Helder Guégués às 21:53 | comentar | favorito
Etiquetas: ,