Léxico: «crena»

E mais esta

 

      Outra de Camilo de que acabei de me lembrar: «O regedor tomou o manuscrito de oito páginas entre as mãos, pôs-se em atitude abrindo as pernas em circunflexo, tossiu, tomou fôlego, deu crena de saliva aos beiços, e leu engasgadamente: “De onde vem esta celestial harmonia, que a minha alma ouviu, quando o Céu me bafejava a infância, e as delícias todas da existência me eram pronunciadas nos sonhos?...”» (Amor de Salvação, Camilo Castelo Branco. Porto: Lello & Irmão Editores, s/d, «Colecção Lusitânia», p. 160). Em que dicionário actual aparece esta acepção de crena? Tanto quanto sei, em nenhum. Não tardará, e frases inteiras de autores do século XIX tornar-se-ão incompreensíveis. Alguém está a esquecer-se de fazer o seu trabalho.

 

[Texto 11 033]

Helder Guégués às 22:31 | comentar | favorito
Etiquetas: ,