Léxico: «deixar da mão»

Ignorar o próprio, adoptar o alheio

 

      «José Sócrates abandonado. Advogado deixa Sócrates na mão», titulava no sábado a revista VIP, na sua edição electrónica. Só há um problema. (Ou dois: ser tudo mentira, mas disso não curamos aqui.) A expressão é brasileira, não portuguesa, e significa não ajudar, abandonar. Vamos, portanto, esquecê-la, e oxalá outrotanto aconteça ao infeliz jornalista. Mas temos uma expressão semelhante e que não vejo nos dicionários, ou, pelo menos, no Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora: deixar da mão, largar, não incomodar, não maçar. Os Alentejanos herdaram-na dos clássicos, e o resto do País desconhece-a quase por completo. (Ah, sim, o Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora também desconhece outrotanto.) Continuamos a desprezar o que é nosso.

 

[Texto 9075]

Helder Guégués às 08:41 | comentar | favorito | partilhar
Etiquetas: ,