Léxico: «disritmia»

Vamos às doenças

 

      «Mais de metade dos portugueses têm pelo menos uma doença crónica, uma ocorrência mais frequente nas mulheres, nas pessoas com menos escolaridade e nos idosos, segundo dados do Inquérito Nacional de Saúde com Exame Físico (INSEF). De acordo com os dados do inquérito realizado pelo Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge (INSA), divulgados a propósito do Dia Mundial do Doente, assinalado esta segunda-feira, 3,9 milhões de pessoas reportaram ter pelo menos uma doença crónica das citadas numa lista de 20 doenças. Hipertensão arterial, enfarte agudo do miocárdio, acidente vascular cerebral, disritmia cardíaca, diabetes, insuficiência renal crónica, cirrose, hepatite crónica, asma, doença pulmonar obstrutiva crónica, dor crónica, osteoporose, artrite reumatoide, artrose, cancro, depressão, ansiedade crónica, úlcera gástrica ou duodenal, colesterol elevado e alergia são as 20 doenças citadas na lista» («Mais de metade dos portugueses têm pelo menos uma doença crónica», TSF, 11.02.2019, 9h43).

      Falemos então das minhas doenças. Não. Vamos antes continuar a falar das doenças dos dicionários. Disritmia, ensina o dicionário da Porto Editora, é a «alteração do ritmo normal, por exemplo, do ritmo cardíaco, cerebral, etc.». Aposto que conseguem ser menos redundantes.

 

[Texto 10 760]

Helder Guégués às 12:53 | favorito