Léxico: «fágico»

Não peço tanto

 

      «Os bacteriófagos (vírus que conseguem infectar e matar bactérias) geneticamente modicados acabaram por ser a solução para tratar a infecção de Isabelle Carnell. Após seis meses de tratamento com um cocktail de bacteriófagos, quase todos os nódulos desapareceram, a ferida cirúrgica começou a sarar e as funções do seu fígado melhoraram. Isabelle Carnell tem hoje 17 anos e está bem. Esta história é contada numa das edições deste ano da revista científica Nature Medicine e é um dos casos de sucesso da terapia fágica, abordagem terapêutica que usa vírus — os tais bacteriófagos (ou fagos) — para matar bactérias no tratamento de doenças infecciosas» («Usar vírus contra bactérias resistentes a antibióticos», Teresa Sofia Serafim, Público, 12.10.2019, p. 34).

      Já nem peço que terapia fágica vá para os dicionários (mas estão lá outras...), mas pelo menos fágico tem de ser acolhido. Diacho. Homessa, Caramba.

 

[Texto 12 164]

Helder Guégués às 04:00 | comentar | favorito
Etiquetas: ,