Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Linguagista

Léxico: «flor-do-congo»

Guerra Colonial I

 

      «De sorte que, quando a última bazucada, de reforço ao fogo dos morteiros, subiu ao encontro do Seixel, o capitão recomeçou a coçar o nariz e os testículos, tão comidos pela flor-do-congo como uma ameixa apodrecida, e pensou: “A coisa da minha madrinha de guerra!”, porque já nenhuma finalidade persistia nos seus actos» (Autópsia de Um Mar de Ruínas, João de Melo. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 6.ª ed., 1997, p. 23).

 

[Texto 15 206]

Comentar:

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.