Léxico: «imprimadura»

Tudo técnico

 

      «O relatório explica que a datação do século XVI é consentânea com “o uso generalizado do pigmento azul de esmalte” e de um tipo de preparação sobre a qual é executada a obra, chamada “imprimadura corada”. “É uma camada muito fina que se coloca por cima da preparação do suporte [madeira] e que depois recebe a pintura propriamente dita”, explica José Alberto. […] Segundo o relatório sumário do estudo técnico e material, foram realizados vários exames — como fotografia de fluorescência de ultravioleta, reflectografia de infravermelhos, radiografia e espectrometria de fluorescência de raios X — e recolhidas seis micro-amostras da camada pictórica» («António Filipe Pimentel: “Relatório prova que a pintura é autêntica”», Isabel Salema, Público, 8.04.2017, p. 40).

      Imprimadura não tem nada de especial, e encontramo-lo em quase todos os dicionários. É, digamos, a aplicação de uma espécie de primário. Já quanto à reflectografia de infravermelhos, não a encontramos nos dicionários, e não creio que a definição de reflectografia que está em quase em todos os dicionários ajude a perceber o conceito. E escreve-se microamostra, como microalga, por exemplo, fica agora a jornalista a saber.

 

[Texto 7691]

Helder Guégués às 19:48 | comentar | favorito