Léxico: «lambe-cus»

Há muitos

 

   «De maneira que a minha mãe polaca empapava-me o couro cabeludo com o fixador O’Dell’s, penteava-me as mechas rebeldes e depois mandava-me para a escola feito sósia do lambe-cus que vinha no frasco» (Timbuktu, Paul Auster. Tradução de José Vieira de Lima. Alfragide: Edições ASA II, 2014, p. 50).

    A Porto Editora conhece vários lambedores, mas não este — tão comum, afinal — lambe-cus. Tem de o promover, que é, afinal, o que também acontece nesta vida, serem premiados, promovidos, pelo seu activo e nojento lambe-cusismo.

 

[Texto 12 657]

Helder Guégués às 08:00 | comentar | favorito
Etiquetas: ,