Tradução: «magistrato di sorveglianza»

O espírito, não a letra

 

      «Ali estão Gloria Manzelli, diretora da estrutura [Prisão de San Vittore], a sua vice Teresa Mazzotta, o provedor Luigi Pagano, o comandante Manuele Federico, o capelão Marco Recalcati e a presidente dos juízes de vigilância Giovanna Di Rosa» («“Sinto-me em casa: obrigado pelo acolhimento”», Matteo Valsecchi, O Meu Papa, ed. n.º 1, 31.03.2017, p. 14).

      Sejamos claros: em português, «juízes de vigilância» não significa nada. Nada. E porquê? Porque não se traduzem somente palavras, traduzem-se conceitos, tem de se procurar uma correspondência entre duas realidades diferentes, que, no caso, é juiz de execução de penas. Em alternativa, mas apenas quando não existir correspondência, até se pode traduzir literalmente, no caso, «juiz de vigilância», do italiano magistrato di sorveglianza, mas impõe-se obrigatoriamente uma nota explicativa.

 

[Texto 7655]

Helder Guégués às 19:07 | comentar | favorito
Etiquetas: ,