Léxico: «microgravidade»

A 6,37 milhões de quilómetros

 

     «Em França, o Instituto para a Medicina e Fisiologia no Espaço quer estudar a microgravidade e está à procura de homens que estejam dispostos a ficar dois meses numa cama deitados. O tempo todo» («Oferta de emprego de sonho? 16 mil euros para passar dois meses numa cama», Rádio Renascença, 4.04.2017, 18h07).

      Uma imperdível oferta de emprego. Entretanto, podemos ter outro problema: segundo o Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora, microgravidade é a «ausência quase total de gravidade, que se verifica fundamentalmente no espaço». Do que li, concluo que tal ocorre em duas circunstâncias: na Terra, em diversas experiências de microgravidade simulada em torres de queda livre, e, no espaço, a bordo de naves e estações espaciais e em voos parabólicos. Portanto, no espaço, sim, mas a bordo de naves. Percebi bem? Mas não é só isso: «ausência quase total de gravidade» pode igualmente induzir em erro. Como o próprio prefixo micro- indica, trata-se de um valor pequeno, e nunca nulo ou próximo disso, pois para que a atracção gravitacional fosse reduzida a um milionésimo da atracção gravitacional na superfície terrestre seria necessário estar-se aproximadamente a 6,37 milhões de quilómetros da Terra. (E dava jeito ter o adjectivo microgravitacional dicionarizado.)

 

[Texto 7673]

Helder Guégués às 22:56 | comentar | favorito