Léxico: «mixovírus»

Pode dizer-se mais e melhor

 

      «O estudo de João Cúcio Frada aponta para 60.474 mortos atribuíveis à gripe pneumónica de 1918 em Portugal, por ação de uma estirpe do mixovírus A altamente patogénica, associada a complicações respiratórias bacterianas secundárias, com 3.175 óbitos no distrito de Leiria» («Um século depois da pneumónica, risco de novo surto de infeções aumenta», Cláudio Garcia, TSF, 4.06.2018, 9h23).

      Decerto, o Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora regista-o: mixovírus é a «família de vírus ribonucleicos, a que pertence o vírus da gripe». Eu percebo, sim, mas a definição até pode parecer incorrecta. Veja-se a definição do glossário dos Médicos de Portugal: «Mixovírus s. m. (fr. myxovirus; ing. myxovirus). Qualquer vírus de um grupo de vírus com ARN, de simetria helicoidal e rodeados por um envólucro, que têm afinidade especial para os mucopolissacáridos e as glicoproteínas. O grupo divide-se em duas famílias: os Orthomyxoviridae, que agrupam os vírus da gripe, e os Paramyxoviridae, que compreendem nomeadamente o vírus da papeira e o vírus do sarampo.»

 

[Texto 9339]

Helder Guégués às 10:27 | comentar | favorito