Léxico: «párvoo/párvoa»

Parvoamente

 

      «Esporeado pelo ciúme e pela mais párvoa das vaidades, subiu a um combro para atrair a atenção, fez pontaria, disparou e... rompeu o ventre de um cão perdigueiro de dous narizes, o melhor da matilha; e, por desgraça sua e vilipêndio do caçador, o cão assassinado era o que mais longe estava do porco-bravo!» (O Santo da Montanha, Camilo Castelo Branco, in «Obras de Camilo Castelo Branco», vol. 60. Lisboa: Parceria A. M. Pereira, 1972, p. 152).

      Estão dispensados, se não se quiserem maçar muito, de registar a forma masculina, párvoo, de uso antigo, mas a feminina, párvoa, está bem representada na literatura novecentista, é amplamente empregada por Camilo. Não podes, dicionário da Porto Editora, fingir simplesmente que não existe. Isso é um mau serviço, é agir parvoamente.

 

[Texto 11 036]

Helder Guégués às 10:47 | favorito
Etiquetas: ,