Léxico: «pavlova»

Universal — e nossa

 

      «— Se não der trabalho, seria ótimo — agradeceu Rachel. — Vou fazer uma pavlova para levar para o almoço em casa da minha nora no domingo de Páscoa, então um desses coisos para bolos vinha mesmo a calhar» (O Segredo do Meu Marido, Liane Moriarty. Tradução de Helena Ruão. Alfragide: Edições ASA II, 2014, p. 224).

      Há várias pavlovas nesta obra; no Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora, nem uma. Não precisa de itálico, evidentemente. Já provei pavlova, pois claro. E até já tive uma vizinha de apelido Ivanova, uma ganda maluca, que só trago à colação pela rima e por ser verdade.

 

[Texto 11 019]

Helder Guégués às 17:55 | comentar | favorito
Etiquetas: ,