Léxico: «pigouviano»

Pois devia

 

      «Por outro lado, e em maior ou menor grau, todos os impostos são distorcedores no sentido de que tendem a alterar comportamentos dos agentes económicos. Mas nem todas essas distorções são indesejáveis, principalmente quando os mercados geram soluções económicas e sociais muito ineficientes ou inequitativas. Nestes casos, os impostos podem ser utilizados para induzir mais eficiência (uma tributação correctiva através de impostos intencionalmente distorcedores, também chamados pigouvianos), não só permitindo gerar receita fiscal, como melhorar a eficiência na afectação de recursos» («“Imposto Riobles” à pressão», António Bagão Félix, Público, 21.09.2018, p. 55).

      Claro que, em português, devia ser «piguviano», mas o Sr. Arthur C. Pigou talvez não se reconhecesse na palavra. Logo, pigouviano, até porque não é caso único. Não dizemos, por exemplo, «gaullista»? O Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora não diz. Dois dicionários bilingues da Infopédia é que registam «gaulista», com um ele apenas.

 

[Texto 9971]

Helder Guégués às 16:10 | comentar | favorito
Etiquetas: ,