Léxico: «porta-giratória»

Só temos a realidade, não a palavra

 

      «Já Nuno Garoupa volta à questão que mina o desafio presidencial: a das portas-giratórias qualquer que seja o ângulo de análise. “Há, de facto, países onde há financiamento público à comunicação social. Ainda esta semana circulava no Canadá a proposta de um generoso pacote de mil milhões de dólares de financiamento. Agora essa discussão não pode ser afastada da regulação, das portas-giratórias e das promiscuidades”, diz o especialista na relação entre a economia e justiça» («Intervenção do Estado nos Media [sic]. “Choca-me a intervenção de Marcelo”, diz Nuno Garoupa», José Bastos, Rádio Renascença, 2.12.2018, 18h46).

      Há alguns anos que vejo por aí, em traduções e em obras originais portuguesas, a palavra (quando hifenizada, como neste artigo, em que há dez ocorrências) ou locução, porta giratória, como também aparece. É a tradução literal do conceito em inglês, revolving door. Nos nossos dicionários, não há portas destas.

 

            [Texto 10 397]

Helder Guégués às 18:38 | comentar | favorito | partilhar
Etiquetas: ,