Léxico: «quartelada»

Um trabalho que não acaba

 

      «À noite, ainda sem dormir, porque teve de dar apoio ao movimento, [Sousa e Castro] foi jantar ao restaurante João do Grão: “Olhei para as pessoas e pensei: esta gente não sonha o que vai acontecer. Aí tive a noção do que é o verdadeiro poder. O verdadeiro poder é conhecimento.” A convicção com que toda aquela gente recebeu as últimas ordens para o levantamento imprimiu-lhe um sentimento inebriante. “Dali não havia volta a dar. Havia a questão de libertarmos os camaradas que estavam presos. Tínhamos dezenas de oficias [sic] presos. Entre os quais os que se tinham envolvido naquela quartelada das Caldas da Rainha”, a 16 de março do mesmo ano» («O papelinho com códigos secretos do 25 de Abril», Cristina Margato, Expresso Diário, 24.04.2018).

      No Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora, faltam pelo menos duas acepções de quartelada, e uma delas é a deste texto.

 

[Texto 9404]

Helder Guégués às 14:40 | comentar | favorito | partilhar
Etiquetas: ,