Léxico: «raios X e raios γ»

Desmentidos pela realidade

 

      Escreveram aqui «raios-X e raios-γ», mas, como se sabe, é sem hífen que devemos escrever estes termos. Outra questão — que já tratei no Assim Mesmo — é se a imagem obtida por meio dessa radiação electromagnética deve ter hífen. A meu ver, sim, e não estou muito mal acompanhado. O Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora finge muito mal que o problema não existe, pois em raios X, raios röntgen diz assim: «radiações electromagnéticas de pequeníssimo comprimento de onda e de grande poder de penetração, que se produzem quando um feixe de electrões embate contra um obstáculo, e que foram descobertas em 1895 pelo físico alemão W. C. Röntgen, 1845-1923». Ainda se dissesse que as radiações electromagnéticas e a imagem obtida se grafavam da mesma maneira, vá que não vá, mas não: simplesmente ignora esta segunda — e muito mais usada — acepção. Num texto alemão, quanto ao aparelho, descomplicam completamente: Röntgenapparatur. E tirar uma radiografia a, radiografar é röntgen. Para terminar, veja-se esta última incoerência no dicionário da Porto Editora: «raios gama», mas «raios X, raios röntgen». Se não estou a ver mal, devia ser raios γ, raios gama / raios X, raios röntgen.

 

[Texto 11 245]

Helder Guégués às 08:45 | comentar | favorito
Etiquetas: ,