Léxico: «romanesco»

Que tem o carácter do romance? Não

 

      «A parte [do Vaticano] com os muros mais imponentes é o Passetto ou, em romanesco, “Corridore de Borgo”» («Estado mais pequeno do mundo», Benedetta Capelli, O Meu Papa, ed. n.º 2, 7.04.2017, p. 20).

      Não, a culpa não é da tradutora: romanesco para significar o dialecto (ou sociolecto, afirmam outros) de Roma já anda há muito por aí em obras em língua portuguesa. Para não ir mais longe: ainda ontem referia aqui o nome da biógrafa de Alexandre O’Neill. Pois foi na biografia de Alexandre O’Neill que encontrei este termo: «Traduziria ainda, para os leitores d’A Capital de 1983, Giuseppe Gioacchino Belli, um poeta italiano do século XIX que escrevia em dialecto romanesco, o linguajar do povo de Roma» (Alexandre O’Neill: Uma Biografia Literária, Maria Antónia Oliveira. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 2007, p. 233). Para mim, nomes de povos e de línguas não podem faltar nos dicionários, e nunca deverão ser considerados termos estrangeiros.

 

[Texto 7690]

Helder Guégués às 20:19 | comentar | favorito
Etiquetas: ,