Léxico: «sangrador»

Dessangrados

 

      «Nos quartos, na enfermaria, na rouparia, todos os aposentos ganham vida. Angelina Brandão faz de freira que adoece. “Há seis anos que me enterro. Já sei isto de cor”, brinca quem ensaia dores deitada na cama. “Passo três dias a gritar. Tenho sempre uma ama de companhia e uma freira comigo. Vem o padre e o sangrador, mas acabo por morrer”» («Freiras, moças e um incêndio para ver no Mosteiro de Arouca», Catarina Silva, Jornal de Notícias, 19.07.2019, p. 22).

      Se acabou por morrer, não lhe vamos desejar as melhoras — desejemo-las antes à Porto Editora, que em sangrador se limita a dizer que é «que ou aquele que sangra» (ora obrigadinho) ou o «matador de animais». Lá se vai a oportunidade de relembrar ou ensinar a importância do sangrador na história da medicina. E, ó Porto Editora, desce à rua, vai aí a uma oficina automóvel, uma Midas ou uma Precision, por exemplo, e pede que te mostrem um sangrador de travões. Aprende, moça.

 

[Texto 11 810]

Helder Guégués às 10:01 | favorito