Léxico: «tâmil»

Não perder o norte

 

      «Em 1919, formou-se o Congresso Nacional, mas os tâmiles retiraram-se dele, com receio do predomínio cingalês. Em 1920, abriu o Conselho Legislativo, com 23 membros não-oficiais» (Taprobana e mais além: presenças de Portugal na Ásia, Benjamim Videira Pires. Lisboa: Instituto Cultural de Macau, 1995, p. 33).

      Para o dicionário da Porto Editora, tâmil/tâmul é apenas a língua: «uma das línguas dravídicas faladas no sul da Índia e no norte e no oeste do Sri Lanka; tâmul». Não é, pois claro. Mas atente-se agora noutro aspecto da definição — já chamei, antes, a atenção para isto, mas fui ignorado. Então, escreve-se como o fizeram ou escreve-se como o faço a seguir? O tâmil é «uma das línguas dravídicas faladas no Sul da Índia e no Norte e no Oeste do Sri Lanka; tâmul». Por muito que queira, não percebo isto, que se há-de encontrar em largas centenas de verbetes.

 

[Texto 12 042]

Helder Guégués às 08:06 | comentar | favorito
Etiquetas: ,