Léxico: «tintar»

Podia ser pior

 

      «De resto, a mesma Unidade Nacional Contraterrorismo que, na madrugada desta segunda-feira, depois de o gang ter sido apanhado por mais um assalto à bomba a caixas multibanco, apreendeu ao chefe do grupo sacos do lixo cheios de notas das ATM – que os bancos continuam a não tintar» («Carros de luxo lavam fortuna das explosões», João Tavares, Correio da Manhã, 12.12.2017, p.12).

    Está, vi-o agora, em alguns dicionários, nanja no Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora. De facto, não se pode dizer pintar; mas podia, ao que me parece, usar-se o verbo tingir. Mas esperem: na Infopédia vamos encontrar o verbo tintar no verbete «inchiostrare» do dicionário de Italiano-Português. Isto é mau, e até péssimo por se repetir tanto: um dicionário não pode usar, nas definições, vocábulos que não regista, que não define. (Mas festejemos: a maioria dos jornalistas já sabem que é «contraterrorismo» que se tem de escrever. Só é pena o «gang», pois temos, por exemplo, «quadrilha»; por sorte, o jornalista lembrou-se de usar «chefe» e não «líder».)

 

[Texto 8469]

Helder Guégués às 11:50 | favorito
Etiquetas: ,