Léxico: «volta de mar»

Mais um coup

 

      «A Autoridade Marítima elaborou uma lista de alguns conselhos e incentiva os banhistas a redobrarem a sua atenção. Pede que não deixem as crianças brincarem na zona de areia molhada, “pois um golpe de mar pode [arrastá-las] para situações complicadas”. Os perigos estão até na temperatura do mar que, por ser ainda muito baixa, pode provocar choques térmicos, sublinha a autoridade» («Em Cascais a época balnear já começou», Liliana Borges, Público, 3.05.2016, p. 13).

   Como já dissemos, todos estes golpes são franceses. E aqui lembraram-nos, e bem, que a locução portuguesa é volta de mar. «Depois erguiam-se as pilhas de doris, que argolas peiavam; o alboi da câmara, cercado de celhas e de mil outras coisas; e enfim, competentemente apoiada no seu descanso, estirava-se a retranca da vela grande, a passar por cima de todas as coisas para poder furtar-se a qualquer volta de mar» (Lobos do Mar, Rudyard Kipling. Tradução de António Sérgio. Lisboa: Editorial Progresso, 1937, p. 77).

 

[Texto 6783]

Helder Guégués às 21:27 | favorito