«Lobista» e «lóbi»

Não custava nada

 

 

   «A verdade é que há algo que diferencia Relvas de todos os outros lobistas profissionais: ele não tem qualquer pudor em assumir o que faz. Transita do público para o privado, do partido para as empresas, do ministério para os lóbis com a leveza de um colibri e tão eticamente despreocupado que se está nas tintas para que o mundo inteiro o saiba. Não admira que eu salive quando toca a campainha: Miguel Relvas continua um artista inigualável» («Eternamente Relvas», João Miguel Tavares, Público, 15.04.2014, p. 48).

   Só é pena que os jornalistas escrevam lobbyista, como vimos e lamentámos aqui, e lobby, e ninguém faça nada.

 

[Texto 4396] 

Helder Guégués às 08:19 | comentar | favorito
Etiquetas: