«Massa mãe», de novo

Um pouco mais complexo

 

      «Mas, afinal, o que é a massa-mãe? Também conhecida como massa velha ou massa azeda, não é mais do que um fermento natural, feito com água, farinha e os microrganismos que entram espontaneamente na mistura (contidos nos dois ingredientes, no ar ou nas mãos do padeiro). Com o tempo, a relação complexa que se estabelece entre eles vai provocar a fermentação da mistura, não só levando ao crescimento da massa, mas também dando-lhe uma textura, sabor e cheiro característicos. É um ingrediente vivo, que precisa de ser alimentado regularmente com farinha fresca. [...] O frasco n.º 43 é reflexo deste esquecimento por parte da industria [sic]. Contém a primeira massa-mãe que Karl alguma vez viu, em 1994, quando lhe estenderam um balde branco para as mãos e lhe pediram para alimentar de farinha. Fazer o quê? A massa borbulhava e aquilo parecia-lhe tão surreal quanto mágico» («Esta biblioteca alimenta-se de massa-mãe de todo o mundo», Mara Gonçalves, «Fugas»/Público, 10.11.2018, p. 21).

      Temos de convir que é um pouco mais complexo do que dá a entender a definição do Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora.

 

 [Texto 10 264]

Helder Guégués às 21:06 | comentar | favorito | partilhar