Meu rico latim

Antes permanecesse ignorada

 

      Uma turma, acompanhada do biólogo Miguel Porto, de uma escola foi fazer uma visita ao campo para observar diversas espécies, ali para os lados do Poceirão, Setúbal. Vai daí — tropeçaram com espécimes da Elatine brochonii, planta que não se sabia que existia em Portugal. O que pretendo dizer? Elatine não tinha de estar nos dicionários? Bem, mas não é por isso que escrevo este texto. No programa Código Postal, na rádio Observador, falaram desta descoberta. O jornalista Miguel Viterbo Dias pronunciou várias vezes — desafiado pelos colegas de programa — o nome científico da planta. Até parecia que os outros o consideravam autoridade na matéria. Pois bem, nem uma vez o pronunciou bem. Esta pequenina planta foi descoberta em 1883 numa lagoa de Saucats, em França, pelo advogado — e botânico nos tempos livres, ou ao contrário, não sei ­— Brochon (1833-1896). O nome foi-lhe dado, em homenagem ao seu descobridor, por Clavaud (1828-1890). Vamos ao que interessa: nunca a palavra brochonii, latim científico, se podia pronunciar como aquele jornalista o fez repetidamente, /brocsoni/. Não, não: aquele dígrafo era em latim equivalente ao χ (qui) grego; logo, o h seria aqui consoante ociosa.

 

[Texto 12 824]

Helder Guégués às 08:30 | comentar | favorito
Etiquetas: ,