«Motivo/razão por que»

Já que insiste

 

      Investigador? Professor universitário? Crítico musical? Se for tão competente na sua profissão como o é na gramática, estamos conversados. «Estão explicados», escreveu, «em todo o seu esplendor, os motivos porque não sabe do que fala quando menciona Bach, Ortiz ou Palestrina.» Aprenda: é motivos por que, que é a preposição por seguida do pronome relativo que. Quanto ao mais, é óbvio que se trata de mais um psicopata atrás do ecrã e da cobardia do anonimato. Vejamos: sobre Ortiz, escrevi o que se lê aqui, ou seja, uma simples dúvida sobre a ortografia de uma palavra; sobre Bach, escrevi isto, mais uma vez uma questão sobre uma palavra, e isto, que deve ter desencadeado tudo; sobre Palestrina, escrevi somente este comentário, uma vez mais (não estamos no Linguagista?) sobre uma palavra, mas — veja-se bem — com a parte factual confirmada em várias fontes, e nomeadamente na Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira, volume XX, p. 80.

 

[Texto 5644]

Helder Guégués às 11:44 | comentar | favorito
Etiquetas: ,