No tempo do «Tollan»

Nada se repete

 

      «O “Betanzos”, a 6 de Março deste ano, e o “Tollan”, a 16 de Fevereiro de 1980, encalharam no Tejo, em Lisboa. Os dois navios encalharam em zonas diferentes, mas a história do barco espanhol trouxe à memória de muitos lisboetas a recordação do “Tolan”, que flutuou no Tejo durante três anos, com o casco para cima. [...] O nome foi aportuguesado para “Tolan” e passou a ser usado em restaurantes e cafés. A palavra ‘tolan’ entrou no vocabulário de muitos lisboetas e tornou-se sinónimo de “encalhado” e “alguém a quem não se consegue dar a volta”. Nessa época, era comum chamar aos jantares de despedida de solteiros, [sic] “jantares tolan”» («Será o “Betanzos” o novo “Tollan”?», Rádio Renascença, 12.03.2018, 13h57).

      Se eles dizem, talvez acredite. Quanto ao encalhado, sim, ouvi; já dos jantares, nada me chegou aos ouvidos. Chega a tempo. Ah, e o aportuguesamento em Tolan é um prodígio linguístico e criativo, não é?

 

[Texto 8906]

Helder Guégués às 19:26 | favorito
Etiquetas: