O que por aí se inventa

Sem resposta

 

      «O sargento está desde então colocado no Laboratório de Análises Fármaco-Toxicológicas, situado nas instalações navais de Alcântara onde, na passada quinta-feira, ocorreu o caso de alegada “importunação sexual” sobre um candidato (maior de idade) que ali estava a pernoitar durante a fase de testes» («Sargento acusado de importúnio sexual foi punido há 19 anos por caso parecido», Manuel Carlos Freire, Diário de Notícias, 26.02.2019, 19h32).

      Nem encomendado! Na semana passada, uma brasileira mandou-me uma mensagem de correio electrónico em que me fazia uma pergunta sobre a tradução de uma frase em inglês. Na realidade, já era uma relação sólida: fizera-me dias antes outra pergunta também sobre tradução. Na segunda mensagem, uma das primeiras palavras que usou foi «importúnio». Perguntei-lhe onde desencantara ela a palavra. Epa! (interjeição brasileira que só encontramos no Dicionário de Neerlandês-Português da Porto Editora...), não me respondeu. E anda esta gente a escarafunchar em línguas alheias...

 

[Texto 10 899]

Helder Guégués às 08:47 | favorito