O verbo «polir» trucidado

Ervas daninhas

 

      «“Para além [sic] de ecológico, ainda permite remover pastilhas elásticas, que são um grande problema na manutenção do espaço público”, acrescenta a autarca [Sofia Dias, presidente da Junta de Freguesia da Penha de França]. A presidente elogia ainda o desempenho da máquina na calçada, porque, como “só utiliza água, não desaglomera as pedras nem as pole” como outros sistemas» («Penha de França usa máquina ecológica», Sebastião Almeida, Público, 23.10.2018, p. 17).

      A autarca usou essa forma verbal? Mas os jornalistas (o texto foi editado por Ana Fernandes) é que escreveram o artigo, suponho. Pois é, não as «pole» porque essa forma verbal não existe. É simples. O presente do indicativo é «pulo, pules, pule, polimos, polis, pulem». O mundo da língua é que não pula nem avança se continuarem a escrever desta maneira. Não pula, mas sobressalta-se.

 

[Texto 10 174]

Helder Guégués às 17:13 | comentar | favorito
Etiquetas: ,