«Olhe-se e veja-se»

Pode estar aí o mal

 

      «Olhem-se para todas as estatísticas e veja-se com satisfação que Portugal como sociedade dá hoje mais oportunidade do que nunca. Olhe-se para à União Europeia e veja-se como temos uma sorte tremenda de fazer parte de um espaço tão grande de prosperidade, onde se pode estudar ou trabalhar com todas as garantias» («O meu filho de 2000 entrou ontem na universidade. Festejei, mas...», Leonídio Paulo Ferreira, Diário de Notícias, 9.09.2018, 9h09).

      Uma espécie de hipercorrecção? Tinha, pelo menos, duas formas de acertar: «Olhem para todas as estatísticas e vejam com satisfação que Portugal como sociedade dá hoje mais oportunidade[s] do que nunca.»/ «Olhe-se para todas as estatísticas e veja-se com satisfação que Portugal como sociedade dá hoje mais oportunidade[s] do que nunca.» E a «assinatura» no fim do artigo? «Enviado do meu iPhone». Pois é, pode estar aí não apenas o meio, mas o mal.

 

[Texto 9886]

Helder Guégués às 09:52 | comentar | favorito
Etiquetas: ,