Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Linguagista

«Ondas insofridas»

Reler Os Lusíadas

 

   «Em 735 adjectivos usados por Luís de Camões n’Os Lusíadas, apenas um é uma criação nova do poeta, uma estreia na história da língua portuguesa. É a palavra “insofrido”, que significa “impaciente”» («O português como língua de Camões é um mito», Isabel Salema, Público, 20.04.2016, p. 28). A tese, diga-se, é de Fernando Venâncio, e mereceu, e bem, uma página do Público.

      Será que significa mesmo «impaciente» naquele verso de Camões? «Fizer por estas ondas insofridas» (Canto V, estrofe 43, v. 6). A estrofe tem sido interpretada como alusão ao tufão que, na segunda viagem (primeira depois da viagem de descobrimento), perto do cabo da Boa Esperança (mas aqui, e de novo, das Tormentas), causou o naufrágio de quatro naus da armada comandada por Pedro Álvares Cabral, e em que morreram todos os seus tripulantes, incluindo Bartolomeu Dias. Foi tudo tão repentino, que nem deram conta do perigo. Nestas circunstâncias, aquelas ondas insofridas são ondas turbulentas, indomáveis, e não impacientes. Insofrido é o que não sofre, e é essa a ameaça: a de que as ondas não iam sofrer, tolerar a passagem dos navios. Sim, sei o que regista Morais no seu dicionário. Estou com Sir Francis Burton: restless waves.

 

[Texto 6760]

Comentar:

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.