Ortografia: «fluido/fluído»

Já vimos que não é assim

 

      «As boas reacções foram uma constante, incluindo dos muitos turistas que passeiam naquela zona, e a PSP, ao preparar a reactivação do serviço [de sinaleiro], que só não foi retomado já no Verão por causa das obras no túnel da Ribeira, não se alheou deste expectável impacto. A peanha, que põe o agente a olhar o trânsito de cima, tem ares de antiga, e a farda, capacete e talabar [sic] (cinto largo) incluídos, lembram outros tempos. A isto, junta-se um cuidado especial na escolha dos agentes, que, percebido o jeito, e treinada a arte, dominam aquele espaço em volta com gestos fluídos» («PSP reforça serviço de sinaleiros em Lisboa e retoma-o no Porto», Inês Boaventura e Abel Coentrão, Público, 24.12.2014, p. 15).

      Descuidam-se e quase acertam: é fluido. Dir-se-ia que por serem duas cabeças pensariam melhor, mas não é manifestamente o que aconteceu. E é talabarte, e não *talabar.

 

[Texto 5397]

Helder Guégués às 08:04 | comentar | favorito | partilhar
Etiquetas: ,