Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Linguagista

Ortografia: «neuropotenciação»

Se mete elemento, é para esquecer

 

      «A cientista começou por deixar claro que a neuro-potenciação não se resume às chamadas smart drugs, como o metilfenidato, comercializado como Ritalina, mas que também substâncias que muitos usam diariamente, como a cafeína ou a nicotina, estimulam o cérebro. E acrescentou-lhes a educação e o exercício físico. Uma e outro, explicou, geram novas células cerebrais. […] Se as alucinações e outras manifestações mais graves da esquizofrenia são razoavelmente controladas através de anti-psicóticos, diz Sahakian,”o problema é que estes doentes ficam com desordens cognitivas e não conseguem regressar à universidade ou ao trabalho”» («Smart drugs, cyborgs e outras visões do futuro», Luís Miguel Queirós, Público, 30.11.2014, p. 33).

     Quando a palavra estiver no dicionário, saiba Luís Miguel Queirós que a grafia será «neuropotenciação». Agora pense lá porquê. (E claro que também é «antipsicótico». E cyborg está aportuguesado em «ciborgue».)

 

[Texto 5311]

1 comentário

Comentar:

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.