Ortografia: «sopinha-de-massa»

Houve uma troca

 

      «Jorge Dias conhece Carlos desde os tempos em que era juiz-de-linha. O primeiro não britânico a dirigir a final de Wimbledon (em 2001) reconheceu-lhe, desde logo, algumas qualidades para ser um bom árbitro: boa apresentação e educação, sabia comunicar bem, tinha bom espírito de equipa, sabia ouvir e gostava de aprender, mas era “sopinha de massa” e quando falasse poderia ser alvo de gozo. “Certo é que resolveu ser operado e lembro-me que teve que aprender a falar de novo. Isto só para demonstrar a força de vontade e a personalidade que ele tinha em querer mudar para ter futuro na arbitragem”, recorda Dias, que, em 2007, viu Ramos suceder-lhe numa final de Wimbledon, aquela em que Roger Federer conquistou o quinto título consecutivo no torneio» («Inflexibilidade faz de Carlos Ramos um dos melhores do mundo», Pedro Keul, Público, 11.09.2018, p. 40).

      Pedro Keul, é sopinha-de-massa (e esqueça as aspas). Não é consensual, mas eu escrevo juiz de linha. Se quiser fugir à polémica e à dúvida, escrevo juiz auxiliar.

 

[Texto 9897]

Helder Guégués às 09:11 | comentar | favorito
Etiquetas: ,