«Pastor-alemão/lobo-da-alsácia»

Andarei enganado?

 

      «Em Lisboa, ir ao veterinário com um pastor-alemão, um labrador, um lobo-da-alsácia ou até mesmo um cocker pode ser um desafio para quem não tenha carro próprio» («E se os pastores-alemães pudessem andar na rede da Carris?», João Pedro Pincha, Público, 15.05.2018, p. 23).

      Querem ver que?... Para mim, pastor-alemão ou lobo-da-alsácia é exactamente a mesma raça. O Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora, apesar das suas falhas — em lobo-da-alsácia, que não define, remete para pastor-alemão, mas não vice-versa —, confirma a minha opinião. Contudo, não falta quem apoie a afirmação do jornalista: «As ruas estavam imundas e matilhas de cães revolviam os destroços; havia pastores-alemães, lobos-da-alsácia, um boxeur, perdigueiros, dálmatas e muitos outros cães de raça» (Estação das Chuvas, José Eduardo Agualusa. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 7.ª ed., 2007, p. 142). Uma coisa é certa: um dos lados está errado, e, em qualquer caso, há muitos anos. Há por aí alguém com conhecimentos cinológicos? Não digo cinólogo, até porque o dicionário da Porto Editora desconhece a palavra.

 

[Texto 9223]

Helder Guégués às 13:55 | comentar | favorito | partilhar
Etiquetas: ,