«Patos com o Diabo»: ainda o AOLP

O pesadelo continua

 

      Nuno Fradique Vieira evoca hoje a sua professora de Português, e termina o seu artigo no Público assim: «Em prol da memória da Dra. Maria Alice, agradeço ao PÚBLICO por não enveredar pelo caminho do “menor esforço” que está a conduzir à destruição da Língua Portuguesa e ao aumento da iliteracia — criando situações deploráveis onde escritores consagrados por um Nobel celebram “patos” com o Diabo e sinais de trânsito proíbem a passagem “exeto” para (ironia das ironias) acesso à Faculdade de Letras e à Faculdade de Ciências. Escusando-se a adoptar o “Acordo Ortográfico”
 de 1990, que não é “Acordo” (porque um acordo pressupõe a concordância de todas as partes) e não é “Ortográfico” (porque a palavra grega “orthós”, como a Dra. Maria Alice nos ensinou, significa “direito” — 
e este pseudo-acordo é uma ode à tortuosidade, à incoerência e à pequenez de espírito), o PÚBLICO está a preservar o legado de todos os professores e professoras que foram como a minha hoje querida Dra. Maria Alice. Bem hajam!

      Nota: Junte-se a nós no Facebook; adira a “Cidadãos contra o ‘Acordo Ortográfico’ de 1990”» («Aprendi com quem sabia», Nuno Vieira Fradique, Público, 27.03.2015, p. 49).

      Tirando o exagero — e, de certa maneira, disparate — de afirmar que o Acordo Ortográfico aumenta a «iliteracia», tudo o mais é verdade e deplorável.

 

[Texto 5689]

Helder Guégués às 09:57 | favorito
Etiquetas: ,