«Piripíri» e «molho tártaro»

Demasiados hífenes

 

   «A marca de molhos Paladin, produzida na Golegã pela Mendes Gonçalves, vai estar à venda na Índia já em Novembro, em parceria com uma empresa local. Para atrair a nova classe de consumidores, “mais exigentes”, a Mendes Gonçalves vai posicionar-se no segmento premium e distribuir os seus molhos e piri-piris em lojas especializadas. […] Marrocos foi a primeira aposta e produtos como o ketchup com basílico, molho-tártaro ou saquetas de molho picante (produzidos em exclusivo para o consumidor local) estão à venda em 700 lojas de comércio tradicional. João Pilão adianta que serão lançados cinco novos produtos e a distribuição será alargada às cadeias de distribuição moderna, ou seja, aos hiper e supermercados» («Portuguesa Paladin chega à Índia este ano para atrair a classe média emergente», Ana Rute Silva, Público, 20.10.2014, p. 19).

    A grafia é piripíri, cara Ana Rute Silva. No molho, entram vários (poucos, na verdade) ingredientes, mas não hífenes. Molho tártaro, então (que o Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora não acolhe).

 

[Texto 5167]

Helder Guégués às 22:23 | favorito