Plural: «palavra-chave»

Não podemos esperar mais

 

      «“Uma história de resistência em favor da memória e da democracia”, acrescenta o autor [Álvaro Filho], que especifica — salvaguardando que é suspeito para falar — que “memória e política são duas palavras-chaves nesta segunda [volta] pós resultado das eleições no Brasil”» («Escritor brasileiro Álvaro Filho estreia-se em Portugal com um romance e um conto», Observador, 18.10.2018, 9h42). É muito mais comum encontrar este plural no Brasil, mas não deixa de se encontrar também deste lado do Atlântico. Mais: não falta quem defenda que é o único plural admissível. Não é o meu caso, que o considero determinante específico invariável, e assim o uso. Como se compreende, é nestes casos que os falantes precisam de orientação. O VOLP da Academia Brasileira de Letras indica que tem dois plurais, palavras-chave e palavras-chaves. O dicionário da Porto Editora não diz nada. Ora, ainda anteontem à tarde, Raul Vaz, comentador de política da Antena 1, disse várias vezes «sectores-chaves», o que demonstra que não convém nada deixar estas questões por definir.

 

[Texto 13 983]

Helder Guégués às 09:15 | comentar | favorito
Etiquetas: ,