Protocanónico/deuterocanónico

Como tudo, melhorável

 

      Como acontece com inúmeros conceitos, a compreensão total do termo «protocanónico» só será atingida se se conhecer também o par, «deuterocanónico». A primeira falha dos dicionários começa aqui. Devia haver uma remissão mútua, por meio de um símbolo qualquer. Em protocanónico, indicar-se-á ➚deuterocanónico; em deuterocanónico, ➚protocanónico. Para o Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora, protocanónico, adjectivo, é o «designativo dos livros da Bíblia cuja origem divina foi sempre admitida pela Igreja»; deuterocanónico, por sua vez, já é adjectivo e nome masculino e significa «que ou livro da Sagrada Escritura que foi incluído só num segundo elenco dos livros que são considerados inspirados por Deus». Quem consultar este verbete não vai ficar a saber muito sobre a questão, isso é inequívoco. Pode fazer-se muito melhor. Compare-se com a definição da Enciclopédia Católica Popular: «São os livros do AT e do NT cuja inclusão definitiva (Conc. de Trento) no cânone dos livros inspirados da Bíblia se fez depois dos livros protocanónicos, por não figurarem na Bíblia judaica ou sobre eles recaírem dúvidas quanto à inspiração. Os protestantes chamam-lhes (incorrectamente) *apócrifos, e em geral recusam os d. do AT. V. Bíblia (Cânone).» Partindo desta, chegar-se-á a uma definição mais breve e depurada, mas clara, informativa.

 

[Texto 8918]

Helder Guégués às 19:25 | comentar | favorito