Regência de «protestar»

Nem de propósito

 

      Que coincidência: na primeira crónica, é também a regência verbal que claudica. «Claro que demasiadas pessoas correram para os aeroportos nas últimas semanas. Mas foi apenas para protestar as restrições à imigração, prova da maldade intrínseca do novo presidente e, em boa parte, herança do anterior» («Bem-vindos, refugiados da América», Alberto Gonçalves, Observador, 4.02.2017, 00h02). No sentido de insurgir-se, manifestar-se, como no contexto, exige a preposição contra. Mas não só: «Os Yeagers colocaram a casa à venda para fugir à “devastação eleitoral” (cito) e passar os próximos 4 ou 8 anos no estrangeiro.» Isto e mais uma mão-cheia de escusadas baldas modernas, como site, media e outras miudezas. Será uma pena eminentemente swiftiana, mas o tom de lengalenga previsível vai dispensar-me de o ler até 30 de Dezembro (sim, confirmei: um sábado).

 

[Texto 7461]

Helder Guégués às 16:00 | comentar | favorito