Regência do verbo «gostar»

Merecer a fama

 

 

      João Adelino Faria, no Telejornal de ontem: «E dentro de minutos vai começar uma cerimónia de homenagem a Vasco Graça Moura, uma cerimónia com a música que o poeta tanto gostava e na presença da família e dos amigos.»

    É espantoso como um jornalista fala desta maneira. (E asseguram-me – foste tu, T. G. – que é dos poucos jornalistas que trabalham com brio.) A língua também é música; não sente ele que falta ali alguma coisa? Caramba, é elementar.

   Como transitivo indirecto, o verbo gostar pede a preposição de, que podemos omitir apenas quando este verbo selecciona uma oração subordinada substantiva completiva. 

 

[Texto 4479]

Helder Guégués às 07:57 | favorito
Etiquetas: