Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Linguagista

Regência do verbo «preferir»

Chumbadas, aos pares

 

 

      «Na sessão de abertura do novo ano escolar no Conselho Nacional de Educação (CNE), Passos Coelho defendeu que o sistema educativo “não pode andar aos solavancos dos impulsos reformistas que cada Governo faça” e que é preferível ir introduzindo gradualmente pequenos aspectos de uma grande reforma do que querer fazer tudo de uma vez» («“Aumentar a salsicha educativa” não significa “bom resultado educativo”», Maria Lopes e Maria João Lopes, Público, 23.09.2014, p. 12).

    Isso de duas cabeças pensarem melhor do que uma não é axiomático, como sabem. É preciso ver caso a caso, e neste caso pensaram mal: o verbo «preferir» rege a preposição a e não a construção «do que». Perdoável numa auxiliar educativa, imperdável em duas jornalistas.

 

[Texto 5070]

Comentar:

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.