Regência verbal: «propor-se»

É só cortar

 

    «O gestor», recomenda o autor, «deve definir objectivos precisos e propor-se a alcançá-los.» Francisco Fernandes, no Dicionário de Verbos e Regimes (São Paulo: Editora Globo, 36. ed.ª, 1989, p. 481), lembra que a «forma propor-se a fazer alguma coisa é condenada por muitos puristas, que mandam que se escreva propor-se fazer alguma coisa (infinito não preposicionado)». Aqui é que se aplica com toda a propriedade o aforismo de Torga e de Drummond de Andrade: escrever é cortar palavras.

 

[Texto 5707]

Helder Guégués às 12:59 | comentar | favorito