S. Jorge de Oitavos

Ninguém diria

 

      Quando passei de bicicleta em frente ao Forte de S. Jorge de Oitavos, na Estrada do Guincho (hoje não fui atropelado na ciclovia por nenhum grande empresário português de nome italiano), lembrei-me da última crónica de José d’Encarnação no Jornal da Região de Cascais: «Iniciou-se a sua construção logo em 1641, que ficou concluída em 1643. Tendo subido ao trono, por via da conspiração do 1.º de Dezembro de 1640, el-rei D. João IV encarregou logo os seus colaboradores militares de prepararem a defesa. Este baluarte, inicialmente chamado ‘da Cabeça de Oito Ovos’, integra, pois, o grupo de fortalezas que o monarca mandou erguer ao longo da costa para prevenir eventuais ataques dos Espanhóis, na Guerra da Restauração» («Ora então descubra lá onde é que isto está!», 22-28.02.2018, p. 18). De Oito Ovos (porquê?) para Oitavos, ninguém suspeitaria. Muito diferente, por exemplo, de Pedras Alvas para Pedralvas, ou Pena Alva para Penalva, ou Lagoa Alva para Lagoalva, mas mais semelhante, pela transfiguração sofrida, a Monte Santo para Monsanto.

 

[Texto 8808]

Helder Guégués às 15:17 | comentar | favorito
Etiquetas: ,