Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Linguagista

«Senha» por «sanha», lenho» por «lanho»

Lisboetices e incoerências

 

 

      «Há 15 dias, no Expresso,
 M.S.T. afirmou ter sido o
 Banco de Portugal quem [sic], com
 a cumplicidade do Governo, “afundou o navio”. No último sábado, voltou à carga com terríveis profecias: “Um dia alguém há-de escrever a história desta inimaginável destruição de valor, que num mês e meio conseguiu reduzir a quase nada tudo o que um banco com um século e meio de existência tinha de bom.” Mas como aquele “um dia” pode estar ainda muito longe, M.S.T. tratou já de avançar com a sua versão da “história”: “A senha
 [sic — é possível que ele quisesse escrever “sanha”] de castigar os Espíritos sobrepôs-se a qualquer preocupação com o futuro do banco e dos seus clientes”» («Qual é a lógica, Miguel?», João Miguel Tavares, Público, 23.09.2014, p. 48).

      Confundem «senha» com «sanha», «lenho» com «lanho», e outras que tais. Pode ter que ver com a forma como falam. Há uns meses, a custo contive o espanto quando a minha filha me veio dizer que a professora tinha corrigido os colegas — quase todos — que diziam «treuze». (Ah, sim, o primeiro sic é meu, caro João Miguel Tavares.) O pior é que, na maioria dos casos, são os professores que castigam os espíritos quando pronunciam «treuze».

 

[Texto 5069] 

Comentar:

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.